O San Diego Chargers ainda não chegou a um acordo com o defensive end Joey Bosa, jogador escolhido pelo time na primeira rodada do NFL Draft 2016, que rejeitou a última oferta do time.

Jogador e time estão nessa disputa desde antes do training camp, que fez o jogador se ausentar de treinos. Por acreditar que o jogador não estará presente em todos os jogos da próxima temporada, os Chargers publicaram uma nota a respeito da situação entre time e jogador:

“Nossas discussões de contrate e ofertas para os representantes de Joey Bosa têm sido justas e estruturalmente consistentes com os contratos oferecidos a todos os jogadores dos Chargers.”

Embed from Getty Images

Joey Bosa (DE), jogador escolhido na primeira rodada do NFL Draft 2016 pelo San Diego Chargers.

De acordo com a nota dos Chargers, a oferta de contrato continha:

  • Um bônus inicial por assinatura que seria maior que qualquer jogador draftado nos últimos dois anos teria recebido;
  • Quantidade de dinheiro, por um ano do calendário, superior a praticamente todos os outros jogadores do NFL Draft 2016 (a excessão é o quarterback Carson Wentz);
  • O maior pagamento e o maior percentual de bônus de assinatura de primeiro ano, considerando o histórico dos Chargers em escolhas de primeira rodada desde 2011, quando houve a alteração do Collective Bargaining Agreement (2011).
Embed from Getty Images
Bosa durante o NFL Combine, um conjunto de exercícios para mostrar as capacidades físicas dos atletas, antes do NFL Draft.

A rejeição de Bosa teve um impacto negativo nos Chargers, que consideram que a contribuição que o jogador poderia ter/receber ao longo de uma temporada completa como calouro foi desperdiçada. Tudo isso, porque o jogador não esteve presente durante a preparação do time junto com os treinadores e outros jogadores.

“Como resultado, teremos que reestruturar nossa oferta, já que Joey não conseguirá contribuir em todos os 16 jogos da temporada, sem o tempo necessário de prática no campo, nas salas de aula e nos jogos de pré-temporada.”

Steve Wyche, do NFL Media, disse, no mês passado, que o principal motivo para não se chegar a um acordo, seria a respeito das garantias que seriam distribuídas ao longo do contrato.

 

 

Anúncios